contingente

IMG_4851

“Havia anjos em cada entrada” – Porto, 2012 – Simone Huck

Você deve morar no inferno das coisas minhas. Na topografia dolorida que não mencionamos. Insiste. Assintomática. No lugar secreto de cada objeto meu. Dentro de obturações. Debaixo de alguma unha da minha mão direita. Na bifurcação da aorta. Sintomática. Deve estar no meu catarro. Entre vísceras e desassossego. Dentro da minha insônia. Debaixo da cama. Entre poeira e fantasmas. Jamais descansa. Sua insistência não foi feita para dormir. Pendurada aos meus alvéolos. Malabarista dos meus bronquíolos cansados. Seu fôlego nunca acaba. Meu pulmão direito – manco – é seu sorriso debochado. Você me goza de tanto rir. Ironiza com uma eterna presença tudo que chamo meu. Você deve morar no inferno das coisas minhas. Na cóclea dos anjos surdos que não podem me libertar.

Anúncios

3 respostas em “contingente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s